Se é Diretor de Operações ou forma parte do Departamento de Operações, de certeza que sabe melhor que ninguém que este trabalho não é nada fácil. São muitas as funções de um diretor de operações, complexas, determinantes e que devem ser levadas a cabo todos os dias. Por isso, tal exige que a pessoa que assume este papel reúna uma série de características, conhecimentos, habilidades, aptidões e posturas muito específicas para obter resultados notáveis. Ser diretor de operações não é simples, mas ser um excelente diretor de operações é ainda mais complicado. Quer conhecer todas as funções e competências de um diretor de operações brilhante? Continue a ler porque esse é, precisamente, o tema do artigo de hoje no blog de poupança económica e produtividade para empresas da Cooltra.

Gerir uma frota é um grande desafio… quer aprender a fazê-lo de uma forma mais eficiente? Faça o download deste guia gratuito

Diretor de operações, um papel proativo

Se leu algum dos nossos artigos publicados sobre comunicação eficiente no seio da empresa, de certeza que o termo “proatividade” lhe é familiar. A proatividade é um termo advogado por um ramo da psicologia e que compete a todo o tipo de empresas e organizações, à psicologia do trabalho e, no fundo, refere-se a essa posição ativa e positiva que deve demonstrar um diretor de operações, um gerente, um líder ou um trabalhador da base, em relação às mudanças que sucedem no seu ambiente profissional.

Desde este ponto de vista, a primeira capacidade que destacariamos de um excelente diretor de operações é precisamente a proatividade, essa energia positiva que lhe permite desenvolver uma ampla capacidade de adaptação às contínuas mudanças logísticas que surgem no âmbito do seu departamento, às indicações que lhe chegam desde a direção da empresa, aos problemas relacionados com o transporte por estrada e com as rotas, aos requisitos de uns clientes cada vez mais e melhor informados, etc.

O diretor de operações e o serviço de pós venda

Na sua forma tradicional, as funções do diretor de operações limitavam-se aos bastidores do negócio, à logística, à gestão de frotas e de rotas, à otimização dos tempos de distribuição, etc. Hoje em dia já não é assim. As pequenas, grandes e médias empresas devem adaptar-se aos novos tempos e mais do que nunca escutar as impressões do cliente final, essas opiniões tão valiosas que recolhe e processa o serviço de pós-venda de uma organização. Com isto, não queremos dizer que um diretor de operações deva intervir nas funções do diretor do serviço de pós-venda ou de atenção ao cliente; referimo-nos a que um excelente diretor de operações deve reservar um tempo da sua agenda de trabalho semanal a conhecer a fundo os resultados do trabalho do seu departamento para poder prever possíveis dificuldades, reconhecer erros na logística e, muito importante, adotar as medidas preventivas ou corretivas que minimizem os problemas e promovam a melhoria da satisfação do cliente final.

O diretor de operações e a inovação

Outro grupo de competências que distinguem um diretor de operações realmente eficiente é a sua capacidade de inovação, o seu interesse nas novas tecnologias, em conhecer e experimentar as diferentes apps de gestão de veículos e frotas, softwares de planificação de rotas de distribuição, as aplicações de localização de frotas ou de gestão de tempos e tarefas… Resumindo: o que as empresas precisam e procuram é um diretor de operações que não resista à implementação das TIC no seu dia a dia, que procure, estude, investigue, experimente… Com um objetivo muito simples: melhorar tanto a sua produtividade, como a do valioso capital humano que constitui o seu departamento.

 

Pin It on Pinterest

Share This